Início

Cinema na Eira

Imagem indisponível.
Cinema na Eira irá decorrer entre os dias 8 e 12 de Julho em vários locais da região. Um ciclo de cinema organizado pelo Cineclub Bairrada inserido na 12ª edição do festival Folk Ancas - Anadia. 8 de Julho: Auditório ao Ar Livre da Curia – Rua das Tílias "9 meses de Inverno e 3 de Inferno" de João Pedro Marnoto 9 de Julho: Parque da AMIGA - Associação dos Amigos de Amoreira da Gândara "Pelos Trilhos do Andarilho" de Rodrigo Lacerda 10 de Julho: Paredes do Bairro – Sede do Grupo Folclórico e Cultural de Paredes do Bairro-GFC Associação "A Água Dorme de Noite" de GEFAC 12 de Julho: Quinta Convivial, Ancas “Os Gaiteiros de Coimbra” de Tiago Pereira Para mais informações: http://folk.clubedeancas.com/cinema-na-eira/
CineClub Bairrada
30 Junho 2019

Conversas informais de Cinema

Imagem indisponível.
A 1ª edição do Encontros à Mesa irá acontecer na Casa Rural Quinhentistas, Pampilhosa e iremos receber a Isa Catarina Mateus e o Rodrigo Francisco para apresentar o seu trabalho na área da formação de cinema. PROGRAMA DO EVENTO 15h. SPEED MEETING: os oradores e participantes reúnem-se para fazer uma breve apresentação durante um minuto; 15h. Apresentação dos projectos: dos oradores convidados; 16h.30 Coffee break 17h. FÓRUM 20h. JANTAR 21h.30 SESSÃO DE CINEMA
CineClub Bairrada
14 Maio 2019

Nomeados para o Prémio António Loja Neves

Imagem indisponível.
O Prémio António Loja Neves, promovido pela FPCC – Federação Portuguesa de Cineclubes, tem como propósitos a promoção do cinema dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) e homenagear o cineclubista, jornalista e cineasta. A lista de nomeados resultou da selecção de filmes de uma chamada internacional e da cinematografia dos PALOP presente nos festivais organizados pelos cineclubes federados. Os Nomeados são: “Arriaga” de Welket Bungué, 2018, Guiné-Bissau; “Comboio de Sal e Açúcar” de Licínio Azevedo, 2017, Moçambique; “Homestay” de Lolo Arziki, 2017, Cabo Verde; “O Canto do Ossobó” de Silas Tiny, 2017, São Tomé e Príncipe; “Mabata Bata” de Sol de Carvalho, 2018, Moçambique; “Sonho Longínquo no Equador” de Hamilton Trindade, 2017, São Tomé e Príncipe. Para avaliar os filmes nomeados, o júri é constituído por individualidades de reconhecido mérito pela sua contribuição para o desenvolvimento do Cinema e da Cultura. Na edição deste ano o júri é constituído pela jornalista e programadora Isabel Santos, pelo cineasta Luís Filipe Rocha e pelo produtor e presidente da Academia Portuguesa de Cinema, Paulo Trancoso. Esta acção promove um olhar sobre o cinema e os cineastas dos países africanos de língua oficial portuguesa, dando continuidade ao trabalho de António Loja Neves, um cineclubista e homem do cinema e da comunicação que sempre os promoveu e defendeu. Mais informações estão disponíveis no sítio www.fpcc.pt/lojaneves
FPCC - Federação Portuguesa de Cineclubes
19 Abril 2019

Texto partilhado no Dia do Cineclube

Dia do Cineclube Tem sido uma aventura para todos nós, cineclubistas, juntarmo-nos e partilhar tantas histórias diferentes, tantas vidas diferentes, e a partir delas inspirar a nossa; Tem sido um encontro entre pessoas com o mesmo gosto: descobrir um olhar singular e debater essa experiência. Em todo o mundo, num cantinho de uma sala escura, alguém se espanta: é o cinema. À frente de uma tela em branco (como esta) reúnem-se, desde 14 de Abril de 1907, apaixonados pelo cinema que depois conversam sobre os filmes, a sua linguagem, a sua estética, sobre o seu autor e a sua motivação. Sentados, emocionamo-nos. É, também, isso que o Dia do Cineclube quer celebrar: a partilha, o espanto, a emoção. Durante uma semana, por todo o país, comemora-se o trabalho desempenhado pelos cineclubes e relembra-se a sua importância histórica. O cineclubismo foi uma aventura e um risco para muitos que exerceram uma constante confrontação com os movimentos mais repressivos e castrantes do espírito humano. Portugal não foi excepção. Celebramos esses colegas. E será uma aventura prosseguir o nosso caminho, possibilitando a fruição do cinema pelos imensos caminhos de que dispomos: desde a exibição de filmes, à sua produção, realização de festivais, retrospectivas, debates, e tantos outros. Esse é um desafio que nos dá imenso gozo. Vivam os cineclubes e o cinema.
FPCC - Federação Portuguesa de Cineclubes
14 Abril 2019